Ilha de Itamaracá

A Ilha de Itamaracá é uma ilha no litoral norte do estado de Pernambuco, no Brasil.

Os primeiros habitantes seriam náufragos, havendo também registros sobre a passagem dos portugueses João Coelho da Porta da Cruz e Duarte Pacheco Pereira, em 1493 e 1498, respectivamente.

Em 1526, já havia uma capela dedicada a Nossa Senhora da Conceição, de responsabilidade do padre Francisco Garcia, na Vila Velha, localizada à margem esquerda do Canal de Santa Cruz.

A Ilha prosperava à sombra da economia açucareira. Em 1630, a Vila Velha possuía mais de cem prédios, uma Santa Casa de Misericórdia, casa de residência do governador, câmara, cadeia e duas igrejas: a Matriz de Nossa Senhora da Conceição e a de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos.

Os holandeses invadiram a Ilha em 1631 e lá ergueram o Forte Orange, na entrada Sul do canal de Santa Cruz, construído em taipa de pilão. O forte tinha este nome em homenagem ao Príncipe holandês Frederico Henrique de Orange, tio de Maurício de Nassau. A Ilha de Itamaracá serviu de celeiro aos holandeses. Posteriormente, o Forte passou a ser chamado Fortaleza de Santa Cruz, já sob domínio português.

O nome “Itamaracá” deriva da língua tupi e, dente outros significados propostos, significa “pedra que canta”, a partir da junção dos termos itá (“pedra”) e mbara’ká (“chocalho”). Ao longo de sua história, Itamaracá também foi referida pelos nomes: Marília, Yilha-de-Fernão-Buquo, Tamanaquá, Itaparica-das-Flores, Vila Schkoppe e Capitania de Santa Cruz.

66,68 km²Área territorial
48 kmde distância do Recife
TropicalClima


Igreja Santos Cosme e Damião

A mais antiga do Brasil, construída após a derrota dos índios Caeté em memorável batalha em 27 de setembro de 1535, graças à intercessão dos santos, começaram a erguer um templo votivo consagrado aos irmãos gêmeos. Entre 1595 e 1597, a igreja foi reconstruída e dessa vez em pedra e cal, sendo ampliada no século XVIII, ao estilo Maneirista.

Convento Franciscano de Igarassu

Com início em 1588, o convento franciscano de Igarassu foi o terceiro a ser construído no Brasil e o primeiro com o título e invocação do glorioso português Santo Antônio.

Convento Sagrado Coração de Jesus

O Recolhimento do Sagrado Coração de Jesus foi fundado no dia 1o de março de 1742, por iniciativa dos Padres Miguel Rodrigues Sepúlvida e Gabriel Malagrida.Sua principal função era amparar e educar a juventude feminina, prestando assistência espiritual às recolhidas.

Museu Histórico

Foi fundado pelo Dr. José Eduardo da Silva Brito, então presidente do Instituto Histórico de Igarassu. Em 1972, não tendo como manter o acervo, o instituto, através de convênio, repassou para Prefeitura Municipal do município a administração do equipamento que, atualmente, ocupa três casas do século XVIII. Seu acervo é composto por 250 peças, possuindo também um departamento de pesquisa histórica, responsável pela guarda de importantes documentos da história da cidade.

Sobrado do Imperador

O edifício, um dos onze existentes na vila em meados da década de 50 do século XIX, era de propriedade do poder público e teve sua construção iniciada depois de 1675, época em que foi edificado com as sobras do subsídio da carne, para servir de Casa de Correição e Aposentadoria. Em 1859, estava sendo utilizado como Casa de Câmara quando da visita de D. Pedro II a Igarassu em 05 de dezembro.

Engenho Monjope

As notícias mais antigas sobre o engenho datam de 23 de outubro de 1600, quando Antônio Jorge e sua esposa Maria Farinha, proprietários do Engenho Inhamã, doaram aos jesuítas em graça uma quadra de terras medindo 800 braças. As atuais construções datam de meados do século XVIII. Sua capela, dedicada a São Pedro, foi construída em 1756, sendo restaurada em 1816 e remodelada em 1926 por Vicente Novelino Filho, quando é construída sua Torre.

Sítio dos Marcos

Um dos mais importantes pontos de contato entre portugueses e ameríndios. O Sítio dos Marcos, localizado na chamada barra sul do Canal de Santa Cruz - Porto de Pernambuco, é o local onde o português iniciou um longo processo de adaptação à nova
terra. A construção, em 1516, da feitoria de Cristóvão Jacques é o marco inicial desse processo que culminaria com a chegada
do donatário Duarte Coelho em 09 de março de 1535.

Museu Pinacoteca

É considerado como um dos mais importantes da América Latina. Instalado no antigo dormitório dos noviços do convento franciscano de Igarassu, construído em 1705, o Museu Pinacoteca foi criado por iniciativa do Dr. Aírton Carvalho, sendo aberto ao público em agosto de 1957. Reúne 24 quadros/painéis dos séculos XVII e XVIII, oriundos da Sé de Olinda, Igreja dos Santos Cosme e Damião e do próprio Convento. São destaques os quatro painéis votivos que pertencem a matriz de Igarassu.

Ilhota Coroa do Avião

Localizada no distrito de Nova Cruz e com cerca de dois hectares de área não inundável, a ilhota Coroa do Avião é sem dúvida alguma, um dos principais atrativos turísticos do litoral pernambucano, não só pela sua beleza e excelente situação geográfica (está em área estuarina, bem próxima do continente e de fácil acesso), mas principalmente pela importância que tem no ciclo de vida de algumas aves migratórias.

Mangue Seco

Praia tranquila de mediana extensão, é conhecida por seu clima agradável e por ser uma das únicas praias do município. Por esse motivo, costuma receber um bom número de turistas, que somados aos moradores fazem com que essa praia seja bastante movimentada principalmente durante o verão.

Refúgio Ecológico Charles Darwin

Com 70 hectares de floresta Atlântica, o Refúgio é dirigido pelo Dr. Roberto Siqueira e conta com a colaboração de 45 pesquisadores de diversas Universidades. Em sua estrutura possui um Museu Vivo e uma sementeira de plantas nativas da região.

Refúgio das Bromélias

No primeiro semestre de 1982, o artesão/paisagista Adinelson Vieira Dantas, preocupado com a degradação de uma imensa área de mangue existente na parte posterior da residência de seus pais, resolveu criar um espaço para a cultura de camarões de água doce, que abundavam naquela várzea. Em 1992, dez anos depois de iniciado o processo de organização do espaço, os viveiros foram remodelados para atender a esta nova faceta da preservação ambiental, dando origem à configuração atual do espaço. O Refúgio é um espaço com riqueza em fauna e flora diversificadas e que prometem garantir muitas surpresas aos visitantes.